O Projeto Vénus é comparável ao Comunismo?

O Projeto Vénus é comparável ao Comunismo?

O Projeto Vénus é comparável ao Comunismo?

Karl Marx contribuiu muito para a compreensão das limitações dos mercados livres. No entanto, o Manifesto Comunista clamava pela derrocada do sistema social e pela revolução através da força da classe trabalhadora (proletariado). De forma alguma, o Projeto Vénus defende essa abordagem para a mudança social. Em contraste, o Projeto Vénus aborda a mudança social como um processo de evolução guiada e um problema de engenharia para produzir uma alternativa de trabalho.

Em vez da revolta dos trabalhadores, o Projeto Vénus pede a coordenação de equipes interdisciplinares para criar hipóteses e projetar uma solução de design para um sistema social humano que torne o atual obsoleto. Ao contrário das visões anteriores do comunismo, e especialmente ao contrário das tentativas anteriores de colocá-lo em prática nos EUA e na China, o Projeto Vénus exige uma análise experimental da implementação do sistema social. Isso é diferente de qualquer revolução comunista, comuna utópica ou golpe de Estado que sempre sofreu com o problema fundamental de falta de uma metodologia para avaliar e melhorar a função do sistema por meio de decisões baseadas em dados concretos e factuais. O Projeto Vénus exige prototipagem iterativa de cidades que tomamos como a unidade de análise para validar ou falsificar hipóteses. A aplicação em grande escala de políticas sociais a uma vasta área geográfica, seja por meio de revolução ou legislação, sem meios de avaliar sua eficácia, decorre de uma abordagem ponderada em política, mas carente de método científico.

Hoje, a complexidade de nossa civilização global e os problemas resultantes não podem ser administrados pela organização política de uma classe trabalhadora. Da mesma forma, os compromissos oferecidos por variações do socialismo representam soluções de remendo envolvendo o ajuste de engrenagens numa uma máquina avariada que requer uma substituição completa. Os problemas hoje são técnicos e requerem a mobilização de cientistas e engenheiros para fornecer soluções técnicas dentro de uma abordagem de sistemas para gerir os recursos da Terra com referência à sua capacidade de carga. Isso requer uma pesquisa global de recursos, pessoal e necessidades.

Karl Marx diagnosticou muitos dos problemas subjacentes do mercado livre e previu o colapso do capitalismo por seus próprios meios na articulação das “contradições internas do capitalismo”. E ele imaginou um mundo livre de estruturas opressivas. Mas Marx omitiu inúmeros problemas logísticos que enfrentaríamos como planeta e a abordagem sistémica necessária a administrar a Terra e os seus recursos para todos os habitantes, humanos e não; ou seja, a necessidade de uma metodologia de gestão estratégica para a Terra, a que chamamos de Economia Global Baseada em Recursos (EBR).

Conforme exclamado no Manifesto Comunista, a “história de todas as sociedades até agora existentes é a história das lutas de classes”. Sabendo o que sabemos agora, podemos reescrever esta declaração para expor o problema subjacente: a história da civilização tem sido a história da má gestão de recursos em situações de escassez. Toda luta de classes tem sido um sintoma dessa condição subjacente e é essa causa raiz que o Projeto Vénus aborda. Embora Karl Marx tenha imaginado uma vaga imagem de uma sociedade comunista em que o dinheiro, a propriedade privada e a hierarquia social fossem abolidos, ele não conseguiu definir a forma de implementar isso ao nível técnico.

Em contraste com o comunismo, o Projeto Vénus exige o redesenhar total das cidades (transporte, distribuição, manufatura, reciclagem, infraestrutura) para produzir abundância de bens e serviços. Tal é alcançado por meio de automação e eficiência de infraestruturas otimizadas. Todas as necessidades sociais, pessoais e ecológicas básicas são contabilizadas e atendidas desde o início, de acordo com a avaliação científica mais recente, e geridas como um sistema por meio de ciclos de feedback cibernético. O conhecimento científico e os meios de produção da humanidade evoluíram muito além do que é necessário para tornar isso uma realidade. Mas começa com um teste e um protótipo, não com um desejo e uma revolução.

Tirado de: https://www.thevenusproject.com/faq/how-does-the-venus-project-compare-with-communism/

Saiba mais sobre este novo modelo socioeconómico chamado de Economia Baseada nos Recursos em: https://www.resourcebasedeconomy.org

No comments.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: