Arquivo anual 11 de Julho, 2020

Listagem de Indicativos Futuragora de Rádio Estações

Nas nossas actividades futuras, aos Macanudos que tiverem preenchido o inquérito de registo, bastará identificar-se com o indicativo Futuragora (por exemplo FA01) para sabermos automaticamente de quem se trata, evitando deficiências de comunicação entre estações. Ler mais

Alterações ao processo de registo

O inquérito passou a estar disponível apenas para utilizadores registados. Este inquérito ajuda-nos a manter o contacto e saber com quem falamos nas nossas parcerias, projectos e actividades futuras. Saber mais

Se o seu email já estiver registado na nossa plataforma poderá recuperar a password aqui

Também realizámos alterações nos procedimentos para registo de estações e rádio operadores no QTHmap. A partir de agora as estações serão inseridas pelos próprios utilizadores depois de se registarem e verem as suas contas aprovadas. As contas terão o título de contribuidor e em cima do lado esquerdo, na barra preta irá aparecer “Adicionar”. Aguarde até 24h para que a sua conta seja validada.

No Adicionar Place terá de preencher o campo título com o nome de estação de CB ou indicativo PMR446. De seguida pode usar a página de descrição para inserir qualquer texto ou imagens/vídeos que queira manter no seu perfil de estação.

No campo QRA deverá digitar o nome do operador da estação.

Se for CB deverá meter o seu nome de estação de Banda do Cidadão. O mesmo se aplica aos campos PMR e Rádio Amador.

No campo categoria aparecerão as opções “Boletim e Estação”: deve seleccionarEstação“.

 

 

Na morada bastará meter a localidade, cidade e distrito, mas se preferir um local mais aproximado deverá clicar em “Set Address on Map” e esses dados serão reconhecidos e colocados num ponto no mapa.

Frequências para modos digitais no CB – Proposta final

Os modos digitais nos 11 metros são uma realidade indiscutível e que ninguém poderá negar, 

Os modos digitais estão a ganhar força e adeptos por todo o mundo, uma vez que, se por um lado o desafio das comunicações por voz a longa distância é grande, a verdade é que nos modos digitais se conseguem estabelecer comunicações a uma distância ainda maior e com uma facilidade que não se consegue em modo voz, e muito menos com as potências legais.

A essa facilidade acresce a variedade de modos existentes e o crescente aumento de aplicações e software que tornam tudo muito mais aliciante e fácil. Ler mais

Actividade Relâmpago Serra de Montejunto – Dia de Portugal

Foi um pouco a modos como a canção dos Trovante “125 Azul” que esta atividade nasceu do nada. «Foi sem mais nem menos. que me deu para abalar sem destino nenhum…» e assim desafiada de véspera pelo André Almeida, Sachs80, resolvemos meter pés ao caminho e lá fomos os dois até ao alto da Serra de Montejunto, de armas e bagagens fazer “barulho” e acordar os ventos, em nome da Futuragora – Núcleo de Telecomunicações.

Ler mais

Activação Relâmpago Montemuro 7/6/2020

Evento realizado em barra móvel por Mike 05 na serra de Montemuro.

O local, embora elevado, não tinha linha de vista para Lisboa por isso parte do país ficou sem ser escutada.

Já foi identificado outro local, apenas acessível a pé que tem vista a 360º. Fica para a próxima. Ler mais

Mapa de Estações e Indicativos

O NTF – Núcleo de Telecomunicações da Futuragora, foi criado em 2014 com vista a desenvolver projetos de telecomunicações. Foram testados walkie talkies PMR 446 assim como frequências privadas por meio de repetidor. O CB sempre demonstrou ser o sistema mais versátil. Em 2019 foi lançando o boletim informativo e o plano 3 3 3. Faz agora um ano que o Boletim da Futuragora é um projecto de automação aplicado às rádio comunicações na banda do cidadão (CB). A cada 30 minutos, no canal 3 em FM, uma voz sintetizada fornece diversas informações actualizadas, como por exemplo o estado do tempo e notícias. Pretende-se evoluir para um sistema mais complexo, incluindo emissões em diversas cidades, a introdução de reconhecimento de voz e inteligência artificial permitindo ao utilizador interagir com a rede de emissores. Alguns dados climatéricos locais são recolhidos através de dispositivos desenvolvidos no projecto Opensenses da Futuragora.

Os membros deste grupo têm desenvolvido os projectos com ferramentas particulares e comunicado principalmente pelo facebook através do grupo que reúne mais de 700 pessoas.

Pode também juntar-se ao Núcleo de Telecomunicações da Futuragora (NTF) e subscrever o mailgroup

QTHmap, é uma plataforma de mapeamento de estações de rádio CB e PMR 446. Dê a conhecer a sua estação e a localização aproximada. Todas as estações reunidas no mesmo mapa para consulta rápida e simples. Uma ferramenta gratuita para benefício de todos os macanudos.

clique aqui

Proposta de Frequências para modos digitais no CB

Os modos digitais nos 11 metros são uma realidade indiscutível e que ninguém poderá negar.

Os modos digitais estão a ganhar força e adeptos por todo o mundo, uma vez que, se por um lado o desafio das comunicações por voz a longa distância é grande, a verdade é que nos modos digitais se conseguem estabelecer comunicações a uma distância ainda maior e com uma facilidade que não se consegue nos 11 metros, em modo voz, e muito menos com as potências legais.

A essa facilidade acresce a variedade de modos existentes e o crescente aumento de aplicações e software que tornam tudo muito mais aliciante e fácil.

Deste modo, a Futuragora tem vindo a experimentar diversos modos de emissão e recepção, os vulgarmente chamados “modos digitais”.

São modos que utilizam a codificação/descodificação de texto em som, texto ou imagem, usando software para o efeito, e que utilizam um rádio CB vulgar, com a potência de lei, e nos modos e frequências legais admitidas para o território nacional, nos 11 metros, 27MHz, vulgarmente chamada Banda do Cidadão.

Apesar destes modos digitais serem frequentemente encontrados nas frequências não autorizadas, a Futuragora não o faz, nem promove.

Assim, resolveu a Futuragora, após prolongado estudo e escuta das frequências mais usadas, publicar o que encontrámos até à data, e consultar os utilizadores de rádio CB de modos digitais, de forma a se chegar a um consenso a usar em Portugal, senão mesmo fora de fronteiras. É mais fácil saber que se for a um determinado canal, encontrarei estações em modos digitais do que andar a rodar canais à procura.

Publicamos aqui um quadro com as frequências mais usadas, legais e piratas, e as que propomos passarem a ser usadas, dentro das frequências legais para CB, por todos nós. Esta é uma proposta-discussão da Futuragora, que espera obter a opinião daqueles que já utilizam os modos digitais. 

Agradecemos desde já os vossos contributos, de preferência explicados e justificados.

Modo

Digital

Canal CB
Legal
Proposto
Frequência
Legal
Proposta

Frequência ilegal

(freeband)

SSTV

21

27.215 AM/FM 27.700 USB
CW / RTTY

24

27.235 FM

27.500 USB

PACKET

24

27.235 FM

27.500 USB

JS8

25

27.245 USB

27.635 USB

FT4 / FT8

25

27.245 USB

27.500 / 27.635 USB

ROS

25

27.245 USB

27.635 USB

PSK

25

27.245 USB

27.500 USB

SIM31

25

27.245 USB

27.500 USB

SSTV

26 27.265 USB

27.700 USB

Critérios utilizados na escolhas dos canais

Seguir as tendências internacionais. O canal 25 é utilizado a nível mundial para JS8, por esse motivo mantém-se em Portugal. De igual modo o Packet em canal 24 FM e os restantes modos em canal 25 também já são frequentemente utilizados noutros países.

Utilizar canais aparentemente livres. Este é o motivo de não utilizarmos o canal 22 dado que é ocupado diariamente por camionistas em AM.

Agrupar em canais os modos que tecnicamente sejam compatíveis. No canal 25 são aqueles modos em banda lateral que utilizam uma faixa estreita, permitindo coexistir com outras emissões no mesmo modo ou em modos diferentes. Além disso um computador pode ter os quatro programas a correr ao mesmo tempo e assim receber qualquer comunicação. Permite também que, sem sair do canal, o operador se aperceba que outros modos estão a ser utilizados.

Permitir a quem tenha rádios só com AM/FM poder participar em alguns modos. É o caso da emissão de imagens em SSTV. no canal 26 a emissão é feita em USB mas no canal 21 é em AM ou FM de forma a que qualquer rádio possa ser utilizado.

Rádio AM – morto na Europa?

Postado por James Cridland no AllAccess em 8 de setembro de 2015

Algo que surpreende muitos visitantes da América do Norte ou da Austrália é a quantidade de estações AM: e o fato de muitas delas ainda serem líderes de mercado.

Em Sydney, 2 GB às 873 AM é enorme – tanto que a história das classificações regulares é qual é a estação FM mais popular. As estações AM da América do Norte são vencedoras de classificações e receita – de 1010 WINS na cidade de Nova York, 680 News em Toronto ou KFI em Los Angeles.

E na Europa? Hmm, nem tanto.

(Temos duas bandas AM aqui, MW e LW. Vou chamar Medium Wave de ‘AM’, já que todos nós fazemos hoje em dia, embora pedantemente o Long Wave também use transmissão AM, apenas num comprimento de onda diferente.

A estação de rádio nacional na França, France Inter, irá encerrar o seu transmissor LW no próximo ano, economizando 15 milhões de dólares americanos. A BBC Radio informou que planeia fechar o transmissor LW da BBC Radio 4 quando as válvulas restantes (eles têm menos de dez) queimarem.

Na Holanda, na semana passada, explosivos derrubaram o último mastro AM em Lopik, um transmissor de rádio que até ao ano passado transmitia rádio pública e comercial. Outros mastros AM também foram fechados no país. A NPO, a emissora de serviço público, afirma que a economia para eles é de 1.3 milhóes de dólares por ano.

France Bleu e France Info, mais duas estações de rádio francesas de serviço público, fecharão mais de dez frequências AM nos próximos doze meses. Em 2012, a emissora irlandesa RTÉ fechou o seu último transmissor AM e planeia fechar o seu próprio transmissor de ondas longas em 2017.

Na Alemanha, a emissora de serviço público está a encerrar os seus transmissores AM. A Rússia encerrou recentemente suas transmissões LW. Em muitos países nórdicos, a AM foi desativada há alguns anos. A BBC está lentamente a fechar repetidores de AM para suas estações de rádio locais e fechou um grande transmissor de AM para o Serviço Mundial da BBC em 2011. A rádio comercial no Reino Unido transmite principalmente serviços de jukebox sem DJ ou transmissões em idioma estrangeiro em AM, e entregou as licenças de AM volta no passado.

Fonte: https://www.asiconferences.com/am-radio-dead-in-europe/

Ativação dia da Liberdade

No passado dia 25 de Abril decorreu a ativação de comemoração do 25 de Abril – Dia da Liberdade. Estivemos ligados na banda de CB a partir de Tomar e fizemos mais de 20 contactos, 3 dos quais, estrangeiros.

Plano Nacional de Emergência de Proteção Civil

Sabia que Portugal tem um plano de emergência de protecção civil?

“Plano Nacional de Emergência de Proteção Civil (adiante designado por PNEPC ou simplesmente Plano) é um instrumento de suporte às operações de proteção civil em caso de iminência ou ocorrência de um acidente grave ou catástrofe em Portugal Continental, com vista a possibilitar a unidade de direção das ações a desenvolver, a coordenação técnica e operacional dos meios a empenhar e a adequação das medidas de caráter excecional a adotar.De acordo com o definido na Lei de Bases de Proteção Civil, este Plano classifica-se como geral, quanto à finalidade, e como nacional, quanto à área geográfica de abrangência.”

Para saber mais consulte o pdf: Plano Nacional de Emergência de Proteção Civil 

O diretor do PNEPC é o Primeiro-ministro, o qual será substituído, nas suas faltas ou impedimentos, pelo Ministro da Administração Interna. Compete ao diretor assegurar a direção,coordenação e controlo do PNEPC e das medidas excecionais de emergência, com vista a minimizar a perda de vidas e bens e os danos ao ambiente, assim como o restabelecimento, tão rápido quanto possível, das condições mínimas para anormalidade.Neste contexto, o PNEPC articula-se, de modo direto, com os Planos Regionais e Distritais de Emergência de Proteção Civil, e, de modo indireto, com os Planos Municipais de Emergência de Proteção Civil, os quais descrevem nos respetivos níveis territoriais a atuação das estruturas de proteção civil e referenciam as responsabilidades, o modo de organização e o conceito de operação, bem como a forma de mobilização e coordenação dos meios e recursos indispensáveis na gestão do socorro.O PNEPC articula-se ainda com as Diretivas Operacionais Nacionais, da Autoridade Nacional de Proteção Civil. A existência do PNEPC encontra-se justificada pela própria história de Portugal Continental a qual tem associados diversos registos de acidentes graves e de catástrofes que, com maior ou menor impacte, causaram danos e consequências severas, deixando marcas na memória coletiva dos portugueses. De entre os inúmeros registos de acidentes graves e de catástrofes, sobressaem, pelo peso simbólico que lhes está associado,o célebre terramoto de 1755 (considerado internacionalmente como a primeira catástrofe da era moderna), as cheias de 1967e, numa escala mais recente,os incêndios em espaços rurais/florestais de 2003 e 2005.