FUTURAGORA

From Futuragora Wiki
Jump to navigationJump to search

Instrodução

Este texto constitui parte integrante da palestra de apresentação da FUTURAGORA. Predispõe-se a dar uma súmula da nossa Associação e dos princípios que defendemos.

A FUTURAGORA pretende criar uma nova dinâmica social baseada na resolução objectiva dos problemas que enfrentamos. Objectiva e não subjectiva, sectorial, nacionalista, partidária e monetária como se faz nos dias de hoje. Uma harmonia social baseada na cooperação em vez da competição. Para tal, além dos nossos projectos técnicos e efectivos na concretização de soluções eficientes, viáveis e sustentáveis, pretende-se caminhar no sentido de instituir um novo sistema social baseado nos recursos naturais da Terra. Uma nova forma de entendermos e organizarmos as nossas vidas e gestão planetária que passe a considerar a renovação e a sustentabilidade dos recursos em geral.

O nossos projectos e acções dividem-se objectivamente na sustentabilidade alimentar e energética por um lado e no desenvolvimento de ferramentas necessárias a uma gestão inteligente dos recursos naturais da Terra e à criação de abundância.

O futuro depende de si, venha participar em www.futuragora.pt

A Missão

A FUTURAGORA - Associação para a Economia Baseada nos Recursos foi criada em Março de 2009 com a finalidade de promover a sustentabilidade, a ecologia e a economia baseada nos recursos.

Tem como fins principais:

a) Divulgação e Promoção da Economia Baseada nos Recursos;

b) Investigação Social, Científica e Tecnológica;

c) Defesa e Protecção do Ambiente;

A missão é objectivamente praticar a sustentabilidade, a ecologia e a igualdade social, desenvolvendo para tal, projectos práticos e técnicos. Utilizando novos métodos de organização operacional e social, aplicando o método científico às problemáticas da vida humana em sociedade, do seu impacto sobre a natureza e do seu potencial tecnológico, pretende-se redesenhar a nossa cultura e sociedade.

Com uma abordagem tendente a uma gestão inteligente dos recursos naturais da Terra baseada em factos e não, nunca mais, em opiniões, interesses económicos ou superstições, como estamos habituados a ver, a Futuragora pretende reorganizar a forma de actuarmos como cidadãos e como humanidade. E para tal necessitamos do conhecimento, tecnologia, recursos necessário à experimentação e teorização da forma como nos vemos a nos enquanto Humanidade.

A FUTURAGORA - Associação para a Economia Baseada nos Recursos, é uma união de cidadãos em volta de um fim comum. Os fins estatutários desta Associação são a divulgação e promoção de um novo modelo social para tal aplicando a experimentação e a investigação social, científica e tecnológica com a devida cautela Ambiental.

As actividades desenvolvidas e a desenvolver pela Futuragora englobam bolsas de estudo, projectos de investigação e educacionais, tecnológicos e sociais. A FUTURAGORA tem um centro de pesquisa em Almada onde executa os seus projectos, tem vários Jardins de Vénus pelo país e apresenta projectos tecnológicos inovadores. Esta associação compila, testa e produz informação e tecnologia necessárias às alterações que pretendemos provocar na sociedade actual.

Uma associação para quê? Uma associação é uma reunião de pessoas para um fim comum. Um fim não lucrativo e a bom rigor, de solidariedade social. A Futuragora é a forma legal de realizar projectos e acções concretas dentro das ideias que defendemos. Na verdade funciona mais como uma comunidade.

A Futuragora é a representante do Projecto Vénus fundado por Jacque Fresco que se dedica, com resultados brilhantes à construção efectiva de todo um novo modelo social. Aplicando o método científico às questões sociais o The Venus Project desenvolveu toda uma nova arquitectura social. Em 2007, a ideias e designs de Jacque Fresco inspiraram Peter Joseph, fundador do movimento Zeitgeist na sua triologia "Zeitgeist" (espírito do tempo).


No entanto esta Associação foi criada por pessoas que acharam que bastava de filmes e de teorias de conspiração. Há que passar à acção: "Um novo pacto social natural baseado na sustentabilidade e no nível tecnológico universal e avançado são a grande parte da solução para este condenado planeta, como concluímos. Para tal é preciso demonstrar, praticando acima de tudo, e executando as propostas sociais e tecnológicas que advogamos."

(slide 12) Por exemplo, num estudo da ONU bastariam 40 mil milhões de euros por ano para alimentar e trazer água potável a todos os seres humanos que hoje passam fome, especialmente nos países subdesenvolvidos. A pergunta que fazemos é profunda: "Se existe porque é que não temos?". E a resposta é: "Porque o sistema impede de conseguir isso". E Porquê? Porque a abundância e a sustentabilidade são opostas do conceito de lucro que controla o sistema social em que vivemos hoje e desde há milénios.


Se dividirmos este número que permitiria anualmente acabar com a fome, pelos 365 dias de um ano, obtemos um número longo mas nada de impossível. Só a dívida portuguesa dava para alimentar os famintos todos deste planeta por vários anos. Esse valor é inferir ao buraco do BPN ou à dívida da Madeira.

(slide 14) Outro exemplo, esbanjam-se recursos naturais e divide-se o conhecimento quando os vários fabricantes de telemóveis competem uns com os outros pelo lucro. Se todos eles se juntassem para construir um único telemóvel que reunisse todo o conhecimento actual e focado na optimização dos recursos naturais, não seria rentável. Mas seria universal, duradouro e útil!


A missão da Futuragora é objectiva no design e produção das tecnologias ou sistemas necessários a fornecer a toda a humanidade qualidade de vida e harmonia existencial. Somos seres simbióticos entre nós mesmos, com a natureza, o planeta e o universo. E é por isso que a produção de tecnologia e soluções eficientes e sustentáveis são a chave principal desta Associação, porquanto as mesmas irão beneficiar toda a humanidade e não uma pequena parte como actualmente.

O objectivo principal é agir. Agir de forma legal, ponderada e racional. Permitir uma revolução social liderada pela prórpia humanidade afim construirmos uma sociedade melhor e acompanhá-la na sua transição. Não só divulgando como especialmente praticando os conceitos de sustentabilidade, ecologia, economia baseada nos recursos são os objectivos principais da Futuragora como vimos.

Mais do que investigar, a Futuragora tem executado inúmeros projectos na área das energias renováveis e agricultura, dois pontos chaves rumo a uma sociedade sustentável, equilibrada e altamente produtiva.

Economia Baseada nos Recursos

O conceito de Economia Baseada nos Recursos foi criado pelo autodidata, projetista industrial, engenheiro social, escritor, professor, futurista e inventor Jacque Fresco.

Este conceito advém de um modelo de gestão inteligente baseada nos recursos naturais da Terra e da aplicação sistemática do método científico.

É um sistema social onde todos os bens e serviços estão disponíveis sem necessidade de recorrer ao uso de dinheiro, crédito, caridade ou qualquer outro sistema de débito ou servidão. Todos os recursos tornam-se a herança comum de todos os habitantes da Terra e não de apenas uns poucos seleccionados. Dessa forma eventualmente poderemos transcender a necessidade de fronteiras artificiais que separam cidadãos. Esse é o imperativo unificador.

A premissa base deste sistema é de que a Terra é abundante em recursos no entanto a nossa prática de racionamento de recursos através de métodos monetários é que é irrelevante e contraprodutiva à nossa sobrevivência. Os únicos verdadeiros problemas são os problemas comuns a todos os seres vivos e ao planeta.

A sociedade moderna tem acesso a tecnologias de ponta e pode disponibilizar comida, roupa, alojamento e assistência médica, actualizar nosso sistema de educação, e desenvolver um fornecimento ilimitado de energia renovável e não-poluente. Fornecendo assim um modelo de uma economia eficiente onde todos podem desfrutar de um elevadíssimo padrão de vida com todas as vantagens de uma sociedade altamente tecnológica.

Uma economia baseada nos recursos usaria os recursos existentes na terra e no mar, o equipamento físico, indústrias, máquinas para melhorar a vida de toda a população. Numa economia baseada nos recursos em vez do dinheiro, poderíamos facilmente produzir todas as necessidades biológicas e fornecer um elevado padrão de vida para todos.

Existem mais de mil milhões de criança pelo planeta fora. Todas elas necessitaram de um carrinho de transporte, mas nem metade delas tiveram acesso a esse bem. Todos sabemos a razão… essa pobres criança pelo mundo fora, pobres por serem pobres financeiramente. A questão que temos de colocar não é se existe dinheiro para fornecer 500 mil milhões de carrinhos de bébés pelo mundo fora mas se temos recursos naturais e materiais para tal. Assim certamente concluirmos que umas 100 fábricas automatizadas a produzir 1000 unidades por dia rapidamente produziriam suficientes para todas as crianças em falta. Mas como aplicamos o método científico temos de considerar que os recursos terão de ser bem geridos, recicláveis e não-poluentes. E nesse caso porque não um sistema automatizado universal gratuito de fornecimento e uso de carrinhos de bébés e posterior devolução?

Até já existem ideias em curso nesse sentido. Em certas cidades na Holanda, pode-se andar livremente de bicicleta, bastando para tal pegar numa bicicleta qualquer e deixá-la no local publico novamente. A seguir outra pessoa virá e levará essa bicicleta para outro lado onde também a deixará num local público. Pois é, quando temos abundância até se perde a noção de propriedade.

Esta visão advém de uma aplicação do método científico às questões sociais, à organização comunitária e à própria ciência, tecnologia, Ambiente e Natureza.

Devemos enfatizar que esta abordagem para um governo global não tem absolutamente nada em comum com os presentes objectivos da elite de formar um governo mundial dirigido por ela e pelas grandes empresas e instituições mantendo assim maioria da população do mundo como seus servos. A nossa visão de globalização encoraja toda e qualquer pessoa ao melhor que puderem e não a viver sob submissão de um corpo governamental corporativo.

As nossas propostas não só contribuem para o bem-estar das pessoas, como também forneceriam a informação necessária para que elas participem em qualquer área da sua competência. O sucesso seria medido pela satisfação das actividades individuais em vez da aquisição de riqueza, propriedade e poder.

Actualmente, temos recursos materiais suficientes para fornecer um altíssimo padrão de vida para todos os habitantes da Terra. Apenas quando a população excede a capacidade de sustentação da terra é que muitos problemas como a ganância, o crime e a violência emergem. Ao superarmos a escassez, a maioria dos crimes e até as prisões da sociedade de hoje deixariam de ser necessários.

Este novo Pacto Social Natural possibilitaria o uso da tecnologia para superar a escassez de recursos ao utilizar fontes de energia renováveis, informatizar e automatizar a manufatura e o inventário, projectar cidades seguras e energéticamente eficientes assim como sistemas avançados de transporte, providenciar um serviço de saúde universal e uma educação mais relevante e, sobretudo, ao gerar um novo sistema de incentivo baseado na preocupação com o Homem e o Ambiente.

Muitas pessoas são levadas a pensar que hoje existe demasiada tecnologia no mundo, e que essa tecnologia é a principal causa de nossa poluição ambiental. Não é essa a causa. É o abuso e o uso incorrecto da tecnologia que deve ser a nossa principal preocupação. Numa sociedade mais humana, em vez de as máquinas substituírem as pessoas, elas reduziriam o horário de trabalho, aumentariam a disponibilidade de bens e serviços, e prolongariam o período de férias. Se usarmos novas tecnologias para elevar o padrão de vida de todas as pessoas, então a infusão da tecnologia mecânica deixaria de constituir uma ameaça.

Uma economia mundial baseada nos recursos também envolveria esforços completos para o desenvolvimento de novas fontes de energia, limpas e renováveis: geotérmica; de fusão controlada; solar; fotovoltaica; eólica, das ondas e das marés; e até combustível dos oceanos. eventualmente seremos capazes de possuir energia em quantidade tal que poderia impulsionar a civilização por milénios.

Este novo sistema social engloba o replaneamento das nossas cidades, sistemas de transporte e indústrias, permitindo que eles sejam energéticamente eficientes, limpos, e que sirvam de forma conveniente às necessidades de todas as pessoas.

Com um inventário automatizado a escala global, podemos manter um equilíbrio entre a produção e distribuição. Somente alimentos nutritivos e saudáveis estariam disponíveis e a obsolescência programada seria desnecessária e inexistente numa economia baseada nos recursos.

Ao livrarmo-nos da necessidade de profissões baseadas no sistema monetário, como por exemplo advogados, banqueiros, vendedores de seguros, equipas de marketing e publicidade, vendedores e corretores de valores, uma quantidade considerável de desperdício será eliminada. Por outro lado enormes quantidades de energia seriam também poupadas ao eliminar a duplicação de produtos competitivos como ferramentas, talheres, panelas frigideiras e aspiradores de pó. É bom poder escolher. Mas em vez de centenas de várias fábricas e toda a papelada e pessoal necessários à produção de produtos similares, apenas uma pequena parcela da mais alta qualidade seria suficiente para servir a população inteira.

A nossa única deficiência é a nossa falta de pensamento criativo e inteligência e da capacidade dos nossos líderes eleitos em resolverem esses problemas. Actualmente o recurso mais valioso e inexplorado é a engenhosidade humana.

Com a eliminação da dívida, o medo de se perder o emprego deixará de ser uma ameaça. Esta segurança, combinada com educação sobre como se relacionar com os outros da forma mais significativa, poderia reduzir consideravelmente tanto o stress mental como o físico e deixar-nos livres para explorar e desenvolver nossas habilidades.

A Actividade

Um pouco por todo um mundo assiste-se a um crescendo de pessoas que querem efectivar projectos técnicos e práticos nas mais diversas áreas afim de testar e dotar a sociedade global das ferramentas necessárias a construir um novo mundo, melhor, isento de conflitos, de pobreza, fome ou criminalidade.

Se consultarmos como está a ser planeada a ida a Marte concluímos que existem milhares de assuntos, ferramentas, e questões que estão a ser estudadas: desde simuladores, a ambientes de testes, passando pela construção e aplicação inúmeros projectos técnicos.

Pois bem, é isso que se pretende com a Futuragora: Estudar, Simular e Construir! A Futuragora é o tubo de ensaio do Futuro da Humanidade.

Simular e testar um novo modelo de sociedade.

O propósito desta associação não está no lucro, mas sim nas áreas de uma economia solidária, dos valores e acções de uma sociedade não monetária, de acordo com as normas propostas segundo um modelo que considere a renovação dos recursos do planeta.

Pretende-se criar a infra-estrutura e as ferramentas necessárias para uma transição suave para o novo pacto social, e rumo a uma sociedade que poderá resultar da restauração das necessidades humanas fundamentais e da consciência ambiental da espécie.

A sustentabilidade deste planeta reside ao nível humano essencialmente na sustentabilidade alimentar e energética. É essa área estrita que a esta associação se dedica desenvolvendo estudos, pesquisas, projectos que permitam eliminar a escassez alimentar e energética a nível mundial e de uma forma sustentável, ecológica e eficiente.

Por outro lado dedica-se também ao desenvolvimento das ferramentas tecnológicas necessárias à efectivação da nossa missão. Essas ferramentas contituiem investigação, experimentação e construção das mais variadas forma de como a capacidade de ser pode ser potenciada.

É por isso que coordenam as nossas acções e cooperam connosco várias outras redes sociais em defesa do meio ambiente, cultura, direitos humanos, recursos sustentáveis, energias limpas, unidade do povo e educação.

Os nossos projectos efectivados têm sido especialmente dirigidos para a sustentabilidade na vertente energética e alimentar. Desenvolvemos sistemas de geração de energia solar e cinética. Testámos e melhorámos sistemas de hidroponia não descurando a agricultura biológica e sustentável tradicional. Montamos uma impressora 3D REPRAP e uma central de média sustentável. Acima de tudo compilamos a informação, os testes, os resultados para divulgar gratuitamente.

Assim de forma mais simplificada poderemos dizer que os nossos projectos se dividem em:


Sustentabilidade Alimentar:

Jardins de Vénus

Este é o projecto de manter um registo físico e vivo de plantas. Associando a agricultura tradicional com a permacultura e sistemas tecnológicamente avançados como a hidroponia pretende-se com este projecto alcançar a sustentabilidade alimentar e a preservação mabiental.

De momento, todas as espécies são cultivadas em quatro espaços distintos, a saber:

[| Jardim de Vénus - Sede] - Localizado na Sede da Futuragora em Almada

"Vagos" - Localizado no jardim de Vagos, Aveiro

"Afrodite - Localizado na Figueira da Foz

"Junceira" - Localizado em Tomar

Banco de Sementes - FA

Este projecto é auxiliado pelo nosso projecto independente sobre plantas: www.uniplantae.org


Jardins de Vénus é um projecto comunitário da Associação Futuragora. Com ele pretende-se criar pequenos nichos de sustentabilidade e de uma nova organização social. Usando a tecnologia e meios agricolas ou outros sustentáveis e verdes pretende-se criar uma comunidade auto-sustentável isenta dos males que temos hoje.


Banco de Sementes;

Sistema Hidropónico Vertical;

Aquacultura;

Compostagem;

Iluminação Artificial;


Sustentabilidade Energética:

Central de Média Sustentável;

Sede da Associação independente;

Bicicleta Geradora;

Paineis Solares;


Ferramentas Tecnológicas:

REPRAP;

Sistema Cibernético de Fornecimento de Recursos;

Acção

Vivemos numa sociedade completamente desactualizada ao nível tecnológico e intelectual. Passámos enquanto humanidade os últimos milhares de anos a evoluir a nossa ciência, filosofia e tecnologia sem actualizarmos a nossa engenharia social.

Chegou o momento de tomarmos posição entre deixar continuar a destruição da Terra e as massivas tragédias humanas ou se decidimos aqui e já, um significado à humanidade redesenhando o planeta. Por um futuro sem guerras, corrupção, poluição, pobreza, epidemias e doenças, sem hierarquias e onde os direitos humanos são a nossa base, sem crime, desigualdades, abusos de crianças e todas as coisas terríveis de que somos constantemente informados.

Chega de assistir passivamente à condenação evidente da vida e do planeta tal como sempre existiu. Chega de ficar sentado no sofá a beber informação, jogar consolas, clikar like no facebook. Toca a levantar e a produzir!

Temos de começar por algum lado, uma forma pacífica e alegre de transição para uma sociedade melhor. Acima de tudo considerar que a melhor forma de gestão dos recursos do planeta advém de uma gestão eficiente e sustentável.

Falava uma ministra Belga da pegada ecológica de cada geração referindo-se que não pode uma geração consumir mais recursos do que aqueles que nessa geração se conseguem renovar. Qualquer outra forma irá condenar o futuro do planeta e da humanidade.

É preciso praticar a sustentabilidade e uma nova forma de nos relacionarmos. Estabelecendo as parecerias necessárias, a FUTURAGORA está à altura de testar e compilar resultados impressionantes sobre o potencial do nosso futuro.

É como a luz solar cujo espectro visível pelos olhos humanos é uma pequena parte da sua totalidade. Temos de começar algures e é muito importante que a transição seja feita de uma forma pacífica pois de outra forma, com violência virá uma nova sociedade também ela violenta. E é por isso que devemos usar os nossos direitos de cidadania e políticos. Temos de nos sobrepor ao poder dominante para erguermos um novo sistema social global.

Dispomos do conhecimento, tecnologia e coragem necessárias para transformar este planeta, num paraíso para toda a gente. Jacque Fresco dedicou a sua vida a estudar e a propor um novo sistema social, há 70 anos e com resultados brilhantes.

Todas as coisas maravilhosas demoram tempo a ser construídas. E este novo mundo não será excepção. É por isso que a FUTURAGORA antevé a necessidade de executar desde já todos as acções necessárias ao efectivo teste de como poderemos evoluir muito mais rapidamente.

Montando a tecnologia necessária a abolir com a escassez, praticando a sustentabilidade e gerindo os recursos de uma forma inteligente ou seja aplicando o método científico as esses problemas, a Futuragora está a contruir o futuro de todos os seres vivos destes planeta.

O FUTURO É AGORA!