Manual FA

From Futuragora Wiki
Jump to navigationJump to search

Organização da Futuragora

=Orgãos Sociais

Direcção:

- Responder a emails - rolando

- Assegurar o funcionamento da Associação - rolando

- Manter e actualizar o site - joomla

- Elaborar relatórios

- Dinamizar projectos - rolando

- Manter os sistemas de informação - jmatos

- Negociar novas parcerias - rolando

- Funcionar com Relações Públicas da Associação

- Representar a Associação

- Manter e fazer newsletter trimestral- Zed

- Assegurar a renovação de imagem - Zed

- Manter e organizar o datacenter - jmatos


-

Conselho Fiscal:

- Fiscalizar a actividade da direcção - carreira

- Registar movimentos financeiros

- Lidar com a DGCI

- Aprovar novos projectos

- Atribuir verbas

- Elaborar relatórios


Assembleia Geral:

- Aprovar as contas

- Aprovar o plano anual

- Eleger a direcção

Departamento Executivo - Direcção

1. Secção de Gestão

A) Objectivo: Coordenar e executar as tarefas e missões da Associação.

B) Tarefas:

- Gestão de Contactos; - Coordenar a associação; - Resolver as questões legais; - Negociar parcerias e relações institucionais, com associações, fundações, institutos e mesmo empresas; - Sugerir novos orgãos sociais e eventuais alterações aos estatutos; - Organizar os projectos e arranjar o financiamento para os mesmos; - Reportar.

C) Colaboradores:


2. Secção de Relações Públicas

A) Objectivo: Sistema integrado de gestão e efectivação executiva de comunicação e contactos.

B) Tarefas: Pretende-se criar a melhor forma de gerir contactos e programar, agendamentos e respostas a email.

C) Colaboradores:


3. Secção de Conteúdos

A) Objectivo: Gerir e realizar todas as tarefas relacionadas com a criação de conteúdos palestras, textos, média, musica, multimédia da FA.

B) Tarefas:

- Criar conteúdos escritos, multimédia e outros; - Gerir os conteúdos, palestras, imagem, vídeo; - Manter e gerir o Datacenter FA; - Formar e gerir novos recursos humanos.

C) Colaboradores:

Departamento Executivo - Conselho Fiscal

Esta equipa faz a gestão dos recursos humanos e financeiros, tal como do conteúdo da Futuragora gerindo-o de forma transparente e objectiva.

- Gestão e inventário de recursos humanos e materiais; - Fiscalização e relatório financeiro da Futuragora; - Alimentação e manutenção de contactos em bases de dados.

Está organizado em duas secções específicas:


1. Secção de Gestão de Recursos

A) Objectivo: Manter e gerir os recursos necessários para a execução de projectos e tarefas administrativas.

B) Tarefas:

- Gestão e inventário de recursos humanos e materiais;

- Alimentação e manutenção de contactos em bases de dados.

C) Colaboradores:


2. Secção de Fiscalização

A) Objectivo: Assegurar o planeamento e report transparente das actividades da Associação assim como fiscalizá-las e emitir relatórios.

Departamento de Investigação - AG

Composta por diversos especialistas e técnicos, as funções desta equipa passam por: - Definir projectos; - Operacionalizar os projectos em curso; - Desenhar e maquetizar novos projectos; - Organizar os projectos técnicos; - Recolher e trabalhar a informação técnica do The Venus Project.


Este departamento está subdividido em duas secções, a saber:

1. Secção de Investigação:

A) Objectivo: Criar e explorar novas ideias, projectos e ferramentas que se encontrem dentro dos objectivos da FA.

B) Tarefas:

- Desenhar e maquetizar novos projectos; - Organizar os projectos técnicos.

C) Colaboradores:


2. Secção de Produção:

A) Objectivo: Executar os projectos aprovados.

B) Tarefas:

- Definir projectos técnicos; - Operacionalizar os projectos em curso; - Gerir o site da Futuragora; - Recolher e trabalhar a informação técnica do The Venus Project.

C) Colaboradores: B) Tarefas:

- Manter e gerir as contas financeiras;

- Fiscalizar a actividade da Associação;

- Reportar publicamente para assegurar a transparência.

C) Colaboradores:

FAQ'S

Consultar as FAQ

Templates de reposta a e-mails:

Comunicação Reuniões Semanais

A FUTURAGORA já vem promovendo encontros semanais na sede à mais de um ano. Nesses eventos têm sido desenvolvidos projectos e discutido objectivos. Embora informais as mesmas têm sido

E-MAIL MASS MEDIA

As nossas permissas estão muito bem defenidas. Nós, Movimento Zeitgeist criticamos a democracia na vertente de uma decisão pouco esclarecida, alienada e limitada ao sufrágio. É nesse sentido que para nós o modelo de decisão é um modelo partilhado que se baseia na resolução de problemas, aplicando o método cientifico, de colocar questões, testar, descobrir e convencionar as leis naturais às problemáticas da vida em sociedade e de um mundo sustentável em simbiose com a Natureza.

O Movimento Zeitgeist é o braço activista do Projecto Vénus.

Projecto Vênus, Inc é uma organização que promove as visões do futuro de Jacque Fresco através de um website e pela distribuição de vídeos e literatura. Tem como objectivo melhorar a sociedade, construindo cidades sustentáveis , usando energia de forma eficiente, gerindo os recursos naturais da Terra, usando automação avançada, focadas nos benefícios que tudo isto trará à sociedade em beneficio de todos. Apresenta como modelo social a Economia Baseada nos Recursos.

A Economia dos recursos naturais é o ramo da economia que lida com os aspectos da extracção e exploração dos recursos naturais ao longo do tempo, e a sua optimização em termos económicos e ambientais. Procura compreender o papel dos recursos naturais na economia, a fim de desenvolver métodos de gestão mais sustentável destes recursos para garantir a sua disponibilidade para as gerações futuras. - Definição wikipédia baseada em teses científicas.

Explicação do conceito: http://naturaleconomyday.com/index.php?title=Economia_Baseada_nos_Recursos

A FUTURAGORA (http://www.futuragora.pt) - Associação para a Economia Baseada nos Recursos Naturais é o The Venus Project em Portugal. Focamo-nos nas soluções técnicas e práticas apenas. Para além dos projectos que lhe falei temos agora a impressora 3D REPRAP praticamente pronta em Aveiro. http://www.facebook.com/pages/Impressora-3D/184147055002858. e vamos construir um dome na comunidade agrícola em Tomar. A área de projectos na FA contém uma resenha do que temos feito.

Assim:

"O Movimento Zeitgeist não é um movimento político, nem tão-pouco reconhece nações, governos, raças, religiões, credos ou classes. Estas distinções são incoerentes e obsoletas, estando longe de serem factores positivos para o verdadeiro desenvolvimento e potencial humano. As suas bases assentam na divisão de poder e na estratificação, não na igualdade e união, que são os nossos objectivos. Se é importante perceber que tudo na vida é o resultado de um progresso natural, devemos também reconhecer que a espécie humana tem a capacidade de reduzir drasticamente ou paralisar este progresso, através de estruturas sociais obsoletas, dogmáticas e, consequentemente, desalinhadas da própria natureza. O mundo a que assistimos hoje, repleto de guerra, corrupção, elitismo, poluição, pobreza, doenças epidémicas, abusos dos direitos humanos, desigualdade e crime é o resultado dessa mesma paralisia social.

O Movimento prossegue a consciência, advogando desta maneira uma evolução fluida e progressiva, tanto a nível pessoal, como social, tecnológico e espiritual. Ele reconhece que a espécie humana caminha naturalmente para a unificação, com base num entendimento comum e empírico de como a natureza funciona e, de como nós, humanos, fazemos parte integrante deste processo a que chamamos “vida”. Embora este caminho exista, ele encontra-se infelizmente obstruído e ignorado pela maioria populacional humana, que continua a perpetuar modos de conduta e instituições antiquadas e degenerativas. É esta irrelevância intelectual que o Movimento Zeitgeist espera ultrapassar graças à educação e à acção social.

O objectivo é rever a sociedade de hoje de acordo com os conhecimentos actuais, não só fomentando a consciência quanto às possibilidades tecnológicas e sociais existentes, para as quais muitos foram condicionados a pensar serem “impossíveis” ou contra a “natureza humana”, mas também providenciar um caminho para ultrapassar estes elementos perpetuados por um sistema de sociedade obsoleto.

O Movimento não é uma construção centralizada.

Não existimos para liderar, mas para organizar e educar."

http://zeitgeitportugal.com ou http://zeitgeistportugal.org

Nas FAQ's do Movimento Zeitgeist Portugal tem uma pergunta e resposta onde se esclarece o modelo de tomada de decisão: http://www.zeitgeistportugal.org/capitulo/index.php?option=com_content&view=article&id=62:quem-toma-as-decisoes-numa-economia-baseada-em-recursos&catid=12:faq&Itemid=32

Quem toma as decisões numa economia baseada em recursos?

Ninguém. As decisões chegam com a introdução de novas tecnologias e a capacidade da terra. Computadores podem prover esta informação com sensores eletrónicos espalhados pelo complexo industrial, ou seja as decisões não se tomam, chegam-se a elas a através do método científico em benefício da sociedade.


Também no site do Projecto Vénus pode ver esclarecidas muitas das suas questões, mas ainda não está tudo traduzido para português. http://thevenusproject.com/en/the-venus-project/faq


Um pouco por tudo o mundo muitos são o que estão a questionar o sistema actual. Conscientes das decisões que a humanidade tem de empreender, os cidadãos estão a exigir uma sociedade não baseada no lucro, no consumo descontrolado e no elitismo. Por essa razão os vários movimentos sociais que têm aparecido são apartidários. Por detrás dos movimentos Ocupy por todo o mundo estão Zeitgeisters, Anonymous e outros grupos que defendem ou apoiam a Economia Baseada nos Recursos. Embora de uma forma desorganizada e dispersa denota-se uma união das pessoa em volta do conceito de um mundo mais igualitário, sustentável e ambientalista. Pode consultar um exemplo em: http://unitinghumans.com


Extraído do conceito de EBR:

Devemos enfatizar que esta abordagem para um governo global não tem absolutamente nada em comum com os presentes objectivos da elite de formar um governo mundial dirigido por ela e pelas grandes empresas e instituições e com a maioria da população do mundo como seus servos. A nossa visão de globalização encoraja toda e qualquer pessoa a o melhor que puderem e não a viver sobre submissão de um corpo governamental corporativo.

Muitos perguntam-se sobre os riscos de tal sistema se tornar numa ditadura. De facto, ele tem vários riscos, seja na sua criação, evolução ou durante o próprio sistema. Mas não é muito diferente da tecnocracia actual, onde o mundo vive apreensivo por conta das armas de destruição em massa, ou de sistemas normativos que mantém o povo na linha frente, a projectos de governo que beiram ao totalitarismo frente às intenções de expansão económica no contexto político mundial dos dias de hoje. Não vemos, mas de facto, somos dominados por elites económicas, e um mínimo de tentativa de democratizar o conhecimento como no caso recente do Wikileaks, resultou numa intensa campanha mundial de abafar as verdadeiras práticas totalitárias de governos que se denominam exemplos de Democracia. http://naturaleconomyday.com/index.php?title=Economia_Baseada_nos_Recursos


Estamos ao dispor, naquilo que a pudermos esclarecer. Se quiser colocar questões por escrito terei todo o gosto em responder.

A nota mais importante é mesmo o conceito de economia baseada nos recursos naturais da terra, este novo sistema social que o Jacque Fresco desenhou, Peter Joseph aprofundou e nós divulgamos, testamos e aplicamos, seja no Movimento Zeitgeit ou na FUTURAGORA.

Video sobre o conceito por Peter Joseph, que explica muito bem o conceito: http://www.youtube.com/watch?v=B56QvDwYTx8

Muito Obrigado,

Sem outro assunto de momento,

Apresento os melhores cumprimentos,

Santiago

Olá Santiago!

A nossa missão é tão grande que a parte de comununicação fica para trás.

Estou a acompanhar o seu livro, vai haver um evento em Almada?

De entre os projectos da FA sobre sustentabilidade e na construção de ferramentas ainda não tinha tido tempo para responder a este seu email; no entanto, sempre conseguimos desenvolver novas parcerias e amizades.

A FA dedica-se principalmente à sustentabilidade alimentar e energética e nesse sentido os nossos recursos vão directamente para a criação de tecnologias, ferramentas e visões daquilo que o futuro pode ser.

Grande Abraço, a ver se nos encontramos.


Colaboração Projecto Vénus

Encaminhamento para Activismo

Viva!

A forma mais eficaz de colaborar e desenvolver projectos passa por estar registado no site www.futuragora.pt. Uma vez registado deverá inserir os seus recursos e capacidades técnicas na área do perfil. Seguidamente poderá consultar a nossa lista de projectos em curso e juntar-se e colaborar.

Como Associação dependemos da colaboração dos associados e do seu trabalho árduo para mantermos os níveis de produtividade junto do desejável. Nesse sentido, para além dos projectos poderá participar nas tarefas administrativas que mantêm esta comunidade viva.

Nesse sentido pode também usar um sistema de VOIP chamado teamspeak que permite as nossas reuniões online.


Abraço, Até breve,


Email à PAN

Boa noite,

Estive a ver e ouvir com grande agrado a mensagem de Natal nas palavras de Paulo Borges e identifico-me com quase tudo o que é transmitido pela PAN. Indentifico-me, neste caso significa identificamo-nos, com uma mensagem de harmoniza com a Natureza, de sustentabilidade e de igualdade social porque já desenvolvemos esses conceitos, alguns de nós, à anos. Muitos anos porquanto defendemos um planeta renovável e em unísseno com as leis da natureza, a únicas verdadeiras leis. Não reconhecemos diferenças entre espécies e, ou Homens. As nossas propostas e permissas de actuação são o conceito de Economia de Recursos Naturais, ou seja o ramo da economia que lida com os aspectos da extracção e exploração dos recursos naturais ao longo do tempo, e a sua optimização em termos económicos e ambientais. Procura compreender o papel dos recursos naturais na economia, a fim de desenvolver métodos de gestão mais sustentável destes recursos para garantir a sua disponibilidade para as gerações futuras. E são essas permissas que balizam o nossa actividade enquanto Associação, Futuragora, e as bases a um modelo social mais satisfatório para todo o planeta.

A Futuragora aplica os conceitos de sustentabilidade e gestão eficiente dos recusos naturais nessa visão também partilhada pelo Movimento Zeitgeist e pelo Projecto Vénus, entre outros grupos entretanto aderentes.

Assim, formalmente demontrar o nosso apoio à causa e missão da PAN assim como abrir portas a um activismo mais eficaz em garantir o fim do especismo, e da forma desigual e aburda como este planeta tem sido governado.

Costumamos ter um simples formal acordo com instituições no sentido da promoção dos nossos objectivos comuns e por isso desde já questionamos se podemos "linkar" na nossa àrea de parceiros a PAN.

Agradecendo desde já a vossa atenção,

Atentamente,


TVP RESPOSTA

Boa tarde,

Existe um núcleo para promoção directa do projecto vénus em Portugal. Funciona como que anexo à Futuragora representante oficial em Portugal.

Pode consultar alguma informação sobre o núcleo no link: http://rbe-pod.net/pt/index.php?title=Projecto_V%C3%A9nus_em_Portugal

Existem seminários online do Jacque Fresco e equipas internacionas que colaboram em actividade de projectos locais: http://www.tvpactivism.com.

Estamos a concluir a tradução de um livro do Jacque para ser impresso em Portugal e em português. Se pudesse dar uma revisão até seria grande ajuda.

Apareça no teamspeak da futuragora onde nos reunimos às quintas-feiras às 21h30 onde lhe podemos prestar todos os esclarecimento. Agradecemos que se registe no site da www.futuragora.pt para poder receber as nossas comunicações.

Até Breve,

Resposta ao Nathan

1º Essa cidade será construída com dinheiro de doações? Não seria um pouco impossível uma coisa dessas? Pois, seria necessário quantidades enormes de dinheiro. Digo isso pois conheço Masdar, uma cidade eco-sustentável construída nos Emirados Árabes Unidos que custou 22 Bilhões de dólares.

- O Jacque Fresco teve sempre uma visão global dos problemas da humanidade. Ele refere que não vale a pena sermos sustentáveis numa pequena área não só porque os problemas ambientais transcendem fronteiras, como a Natureza não as reconhece, por um lado. Por outro, se por alguma razão, um país ou uma cidade se tornasse sustentável teria certamente de enfrentar outras cidades ou paises a querem invádi-la, mais cedo ou mais tarde. É obvio que o Jacque e o TVP, até a Futuragora gostariam de construir a cidade, no entanto, sim, são precisos fundos intermináveis. Fundos esses que o TVP está a tentar colectar. No entanto, mais do que uma iniciativa privada, a cidade Vénus será uma tomada de consciência de um ou mais governos no sentido de entenderem que a pergunta não é se temos o dinheiro para construi-la, mas sim se temos os recursos necessários. Uma das grandes diferenças do TVP para as outras visões de democracia, ou governos é que as propostas do Jacque se destinam a melhorar a vida de todos os seres vivos e do planeta, ao contrário das actuais propostas governativas. Está neste momento a ser estudada a possibilidade de haver uma cidade TVP na Russia, e obviamente assenta não só em doações, como mais especialmente num investimento privado e público de várias organizações e eventualmente Governos.

2º Qual a relevância desta construção para a transição? Como se daria este processo? Os políticos olhariam para a cidade e, magicamente, declarariam os recursos terrestres como um patrimônio comum à todos? Como essa cidade fará os governos do mundo participarem da RBE???

A bom rigor só existirá uma RBE quando tal o for a nivel global. Daí a dificuldade de antever o plano de transição para tal sistema social. No entanto uma cidade, uma país, uma comunidade pode viver num sistema social tal como descrito no TVP. Embora limitado poderá por em prática os sistema de gestão e compturizados que irão coordenar a produção e as acções e decisões humanas. Nesse sentido, construida uma cidade experimental TVP, apoiados num filme detalhado sobre o que é e como funciona esse sistema social poderá ser exemplificado às restantes pessoas e governos do mundo. ntamente com uma nova orientação perante a preocupação humana e ambiental, deve existir uma metodologia para transformar isso em realidade. Se esses fins são para serem alcançados, o sistema monetário deve ser superado por uma economia baseada em recursos globais. Para efectiva e economicamente utilizarmos esses recursos, a tecnologia computadorizada necessária deve ser aplicada para garantir um elevado padrão de vida para todos. Com a aplicação inteligente e humana da ciência e da tecnologia, seremos hábeis para guiar e moldar nosso futuro para a preservação do meio ambiente, de nós mesmos e das gerações que virão.

Não basta advogar a cooperação de todas as nações. Precisamos de uma sociedade global baseada sobre um plano detalhado aceitável a todas as pessoas do mundo. Também necessitamos de um conselho internacional de planeamento capaz de replicar esse plano e as vantagens que seriam obtidas com a unificação global. O projecto precisa ser baseado na capacidade corrente do nosso planeta, seus recursos e nas necessidades de seus habitante.

Acima de tudo, vês por todo o mundo a "transição" a acontecer... Transição essa que na maior parte dos casos se limita a tapar buracos e a manter o estado e rumo do planeta. A transição advogada pelo TVP é uma transição social assente na tecnologia e na permissa de que com uma boa gestão, os recursos do planeta seriam quase infinitos.

Se vires o exemplo do Património Universal, quando a UNESCO delibera algo como património do mundo, a bom rigor, e até de direito, está a retirar ao país, habitantes dessa zona o poder de opinarem e deliberarem sobre por exemplo a reserva natural do Gerês. É por pertencer ao mundo que a tutela desses espaços deixa de estar na população local. E é por englobar a preservação da Natureza e dos ecossistemas da terra que esse património representa tanta importância para as gerações futuras.

Ninguém será obrigado a viver numa RBE, no entanto, uma gestão global dos recursos será a mais eficiente e producente que pode haver. Um tsunami que afecta a china reflete os seus efeitos pelo mundo todo. Não é possível esconder essa permissa.

Assim, uma Economia Baseada nos Recursos será o modelo de gestão do planeta como um todo que será adoptado de livre vontade por todos os países.

Acima de tudo retém que existem já comunidade ou formas de gestão muito próximas da EBR, sempre que uma população se preocupa e gere inteligentemente os seus recursos locais. Aliás, Economia de Recursos é uma ramo da economia actual em que se preocupa exatamente com a renovação e preservação dos recursos.

Tirada toda a parte psicológica que agora, nesta resposta não é relevante, se as pessoas passassem a seguir as permissas do TVP, estariamos a umas simples milhoes de máquinas, industrias robotizadas e sistemas de transporte sustentáveis de tornar este planeta numa paraíso.

Para discussão:

Declaração de Princípios

1. Declarar todos recursos mundiais como património comum de todas as pessoas.

2. Transcender as divisões artificiais que hoje arbitrariamente separam as pessoas.

3. Substituir as economias nacionalistas baseadas em dinheiro por uma economia baseada em recursos.

4. Ajudar na estabilização da população mundial através da educação e do uso voluntário de contraceptivos.

5. Regenerar e restaurar o meio ambiente de acordo com o melhor da nossa capacidade tecnológica.

6. Reprojectar cidades, sistemas de transporte, agroindústrias, e fábricas para que sejam energicamente eficientes, limpos e capazes de servir convenientemente as necessidades de todas as pessoas.

7. Livrar-se gradualmente das entidades corporativas e dos governos (locais, nacionais, ou supranacionais) como meios de gestão social. 8. Compartilhar e aplicar novas tecnologias para o benefício de todos os cidadãos deste planeta e do Ambiente.

9. Desenvolver e usar fontes de energia limpas e renováveis.

10. Produzir os produtos com alta qualidade para o benefício do mundo inteiro.

11. Exigir estudos sobre o impacto ambiental antes da construção de quaisquer megaprojetos.

12. Encorajar o mais amplo espectro de criatividade e incentivo a empreendimentos construtivos.

13. Superar o nacionalismo, o fanatismo e o preconceito através da educação.

14. Eliminar o elitismo, seja técnico ou de qualquer outra forma.

15. Delinear metodologias através de pesquisas meticulosas em vez de opiniões aleatórias.

16. Melhorar a comunicação nas escolas para que a nossa língua seja relevante às condições físicas do mundo.

17. Fornecer não só as necessidades básicas de sobrevivência, como também desafios que estimulem a mente ao mesmo tempo em que enfatizem a individualidade em detrimento da uniformidade.

18. Finalmente, preparar as pessoas intelectual e emocionalmente para as mudanças e desafios que têm pela frente.


Projectos em curso

Projectos e Recursos