Peter Joseph tem muito a dizer sobre o surgimento das teorias da conspiração.

Eu fui a um festival recentemente chamado New Earth, que é uma grande série de Ted Talks organizada por quem começou o Burning Man. Alguns dos oradores de lá são membros do movimento Zeitgeist, que – talvez sem surpresa – foi fundado por Peter Joseph, criador do filme Zeitgeist de 2007, o documentário que ofereceu uma carga de opiniões controversas – ou, dependente para quem se esta a falar, “teorias da conspiração” – sobre a religião, 9/11, o Fundo Monetário Internacional e sociedade de vigilância.

Algumas – mas certamente não todas – dessas teorias foram desde então justificadas.

Passou muito desde desde 2007, e – politicamente, socialmente e economicamente – o mundo ocidental é um lugar muito diferente. Muitas, muitas vezes, foram ajudadas por teóricos da conspiração como chefe da Infowars, Alex Jones, que impulsionou uma agenda de medo e paranóia, que teve um impacto direto na forma como as pessoas votaram.

Então, quem melhor para falar sobre essa bagunça do que o próprio Peter Joseph.

VICE: O que te inspirou a fazer o primeiro filme do Zeitgeist?
Peter Joseph: Na verdade não foi um filme; foi uma peça de performance. Eu tenho formação em percussão  clássica – foi para isso que eu fui para a escola, antes de desistir – e o que eu fiz com essa peça foi inventar o filme como visuais de fundo acompanhando uma partitura. Eu estava a trabalhar em publicidade e fazendo as coisas de Wall Street, acredite ou não – duas das minhas indústrias mais desprezadas – e eu queria fazer algo para o meu eu musical e para o eu intelectual geral por causa de todas as coisas loucas que aconteciam então. e foi o que saiu.

Como foi a reação inicial?
Tornou-se viral, mas, sabe, eu teria mudado se soubesse que iria transformar-se naquilo, porque despertou um grande interesse crítico, o que foi muito saudável, mas também desencadeou uma reação realmente desagradável e uma reação impulsiva que ainda sinto até hoje. Eu ainda recebo ameaças de morte e todo tipo de coisa da comunidade religiosa, e, acredite ou não, é muito dogmático, o que eu chamaria de cultura “anti-conspiração” – pessoas que têm uma reação fanática a qualquer coisa que acho que soa como uma conspiração. Então isso foi frustrante também, porque honestamente o meu foco era realmente um sociologo.

A reação ao filme mudou com o tempo?
Em termos da seção religiosa do filme, isso só foi justificado, porque inspirou muitos outros pesquisadores a continuar o estudo em profundidade, e só vi mais apoio. Em termos de 11 de Setembro – bem, isso é apenas uma bagunça grande e desagradável, e eu nem me vou mais aproximar do assunto porque sou imediatamente ridicularizado como esse tipo de Alex Jones, onde ninguém está realmente a pensar sobre os reais argumentos; eles apenas colocam esse rótulo em si como um fã de conspiração. Em termos do material de vigilância no final do filme, quando falo sobre o fato de estarmos entrando em uma sociedade de vigilância, isso foi absolutamente justificado. Vimos do Wikileaks e todos os denuncias anônimas e Edward Snowden que isso estava bem perto da realidade.. Então, ainda estou por trás do trabalho como algo amplo, mas em termos de querer afetar a mudança social de hoje, aproximo-me é claro de maneira muito diferente.

Acha que o filme talvez tenha inspirado Alex Jones e a onda atual de notícias falsas e conspiração?
Eu não aceito nenhum crédito pela loucura que vejo nesse tipo de cultura de conspiração. Eu entendo a associação; Sabe: “Este senhor fala sobre 11 de setembro – oh, ele deve pensar que Columbine era falso, ou há répteis a voltar que deram origem à humanidade, e a terra é plana ou vazia”. Apenas te atraem, e isso é lamentável. Eu não acho que o Zeitgeist tivesse algum tipo conspiração desse género. É uma pena que não possamos criticar certas coisas porque as pessoas têm medo de serem rotuladas e estigmatizadas, e eu acho que o maior culpado disso tem sido Alex Jones e as pessoas que o cercaram.

Falou com Alex Jones antes e não correu bem, certo?
É interessante ver o desenvolvimento e a distorção de Alex, porque acho que, quando ele começou, tinha um sentido genuíno e não tinha sido poluído pela sua popularidade, a sua riqueza e assim por diante. Quando falei com ele, tentei realmente deixar as coisas que nos dividiriam para o lado. Sabe, ele tem uma disposição religiosa e ele tem algumas visões terrivelmente irracionais que são impulsivas, e construiu essa persona que ele tem que continuar perpetuando. Eu coloquei esse tipo de coisa de lado e tentei falar com ele, e ele basicamente virou-se e disse que eu apoiava a a nova ordem mundial. Ficou fulo.

Ficou provado com notícias recentes sobre este processo em que o advogado de Jones argumentou que ele é um “artista de performance” e que a sua persona no ar é uma representação. Desde então Jones  disse que acredita “no programa político geral que estou a promover”. Nunca mais voltaria ao show dele, independentemente da popularidade.

“Ninguém sabe como resolver problemas, então o que fazem? Recorrem ao tribalismo”

O que pensa sobre Brexit e Trump?
Eu vejo o Brexit e a ascensão de Trump como um reverso da sensibilidade cultural, onde estávamos a tentar pensar nas coisas de um modo global. As coisas agora estão a piorar de uma maneira exponencial porque os nossos sistemas estão muito desatualizados – tanto políticos quanto económicos. Ninguém sabe como resolver  problemas, então o que fazem? Eles recorrem a esse tribalismo e todo mundo diz: “Oh, isso não está a funcionar – esse imigrante está a assumir meu trabalho, então vamos voltar a reverter para uma sociedade fechada”, e isso é perigoso. É assim que vejo a ascensão de Trump. As pessoas podem basicamente controlar e confirmar seus valores apenas procurando por coisas que acham que validarão o que acreditam. É por isso que os seguidores de Trump são tão impressionantes, porque  não confiam nos média – estão apenas negando isso. Há um muro psicológico incrível que foi criado.

Então, quem é que acha que está a beneficiar com aumento do tribalismo?
Eu acho que depende de onde estiver mundo. Mas, no final das contas, como de costume, as grandes empresas vão sair na frente. Esse tribalismo vai forçar uma lealdade dentro do grupo, que beneficiará certos elementos da comunidade de forma um pouco diferente dos efeitos internacionais mais globalizados, mas qualquer caminho ainda leva a uma enorme desigualdade de riqueza e desestabilização socioeconômica geral, porque os ricos continuarão a ficar mais ricos e a classe baixa e os pobres vão continuar estagnados. Temos toda uma sociedade baseada numa guerra social: país versus país; corporações versus corporações; proprietários versus trabalhadores; proprietários versus corporações e sindicatos – e então as pessoas voltam-se e perguntam por que o mundo está numa situação tão fraccionada o tempo todo, e é exatamente assim.

Como se muda muda isso? Qual o seu conselho?
Há um problema estrutural ligado à economia e, embora seja menos sexy do que falar de revolução e tentar superar esse ou aquele tirano, até começarmos a perceber que temos que mudar a estrutura e mudar a cultura e os incentivos e comportamentos, não vamos muito longe. As pessoas precisam de exigir mudanças específicas na maneira como a economia funciona. Eu poderia ir numa grande tangente sobre o que essas mudanças são, mas efetivamente é sobre a remoção desta dominância desnecessária e orientada para a escassez e ética competitiva, porque não é mais necessário.

O que é que eu, como pessoa singular, posso fazer?
Bem, como é que alguma mudança social acontece? Eventualmente terá um grupo de pessoas que têm certos valores e perspectivas viáveis, e eles criam força suficiente para forçar mudanças políticas, e é realmente assim simples. Mas as pessoas estão com tanto medo. Sabe, o paralelo entre o Partido Trabalhista e a eleição geral é praticamente a mesma coisa, pelo que entendi, com a campanha de Bernie Sanders e as políticas sócio-democratas que ele estava a propor. Como a maioria das pesquisas nos EUA indica, as pessoas querem isso. Eles querem uma assistência médica universal e um sentido de rede de segurança social, mas o que aconteceu foi que o medo e a sensação de paranoia instalaram-se. Não vou sentar aqui e dizer que tudo vai funcionar necessariamente, porque eu não sei, mas parece que essas pressões sociais e o modo como as pessoas estão sendo constantemente reforçadas com essas visões xenófobas e fechadas e ganhando mentalidade e suposição de que todo mundo é o culpado, que poderia ser essa trajetória negativa daqui em diante. Mas eu acho que há espaço para mudanças se houver educação suficiente.

Traduzido do inglês em: VICE.COM

Entrevista a Peter Joseph em Abril de 2017

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Set your Twitter account name in your settings to use the TwitterBar Section.